26 de janeiro de 2015, 09:52.

Tratamento Odontológico para Gestantes

Os cirurgiões-dentista deveriam ser preparados corretamente para o atendimento de pacientes grávidas. Por apresentarem peculiaridades, elas merecem atenção redobrada e conhecimentos específicos. Para um contato tranquilo e seguro e seguro, programas de incentivo à atualização dos profissionais seriam bem-vindos, já que os benefícios desse aprendizado seriam repassados às pacientes durante o período gestacional.
Além do possível despreparo dos próprios cirurgiões-dentistas, outro fator que poderia ser responsável pelo não encaminhamento de gestantes ao atendimento odontológico seria a desatualizarão dos médicos.
Por precaução ou não, observa-se que as mulheres, durante o período gestacional, procuram evitar a consulta odontológica. Diversos mitos sobre o atendimento odontológico nessa época poderiam ser as explicações de todo esse receio. Sabe-se, entretanto, que a consulta odontológica realizada como complemento do pré-natal médico é de suma importância para a manutenção da saúde geral da gestante. É possível que, se essa informação fosse dada à gestante pelos próprios obstetras responsáveis por ela, o medo e a discriminação aos dentistas diminuíssem bastante.

PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS EM GESTANTES
Sempre se questiona qual procedimento odontológico pode ou não pode ser realizado em gestantes. Sugere-se que sempre tenhamos bom-senso, ou seja, não há evidências científicas em relação aos procedimentos odontológicos em gestantes simplesmente porque não há estudos clínicos nesse sentido. De qualquer maneira, deve-se ter em mente que doenças precisam ser tratadas, independentemente de a mulher estar grávida ou não. É simples assim.
Isto quer dizer que acredita-se que a grande maioria dos procedimentos possa ser realizada, desde que haja motivos. Como exemplo, podemos citar um tratamento de canal. Se o dente estiver necrosado ou com pulpite aguda, a regra é resolver a infecção / inflamação de modo definitivo. Da mesma maneira devemos pensar em extrações, restaurações, entre outros.
Por outro lado, a gestação seria o momento para a instalação de um aparelho ortodôntico? Para a realização de um clareamento? Para realização de reabilitações proféticas extensas? Ou seja, tenha bom-senso. Em teoria, não haveria problemas para a instalação de um implante unitário, no entanto, caso haja intercorrências e a paciente desenvolva infecção e/ou dificuldade em se alimentar, não estaríamos no melhor momento para isso.
Já em relação às radiografias, deve-se raciocinar do mesmo modo. O ideal é evitá-las, mas, se um exame complementar como este for necessário para fechar o diagnóstico, é claro que deve ser realizado, independentemente do período gestacional. O médico o faria e, situações no restante do corpo. O que deve-se evitar é a realização de tomografias computadorizadas, protocolos ortodônticos, dentre outros.
O uso de flúor sistêmico ou mesmo tópico também procova dúvidas em gestantes. Na verdade a aplicação tópica de flúor profissional não traz qualquer risco, até porque a deglutição não deverá ocorrer. Por outro lado, o suplemento de flúor por meio de comprimidos, as vezes contidos no complexo vitamínico utilizado, não tem benefício algum.
Também recentemente publicaram-se algumas normas quanto à inserção e remoção de materiais odontológicos contendo mercúrio durante a gravidez, como é o caso do amálgama. Neste guia de recomendações sugere-se que, desde que possível, o amálgama não seja inserido nem removido da cavidade bucal de gestantes, pelo risco de inalação e absorção da substância. Clinicamente, portanto, devemos evitar restaurar dentes de gestantes com amálgama, no entanto, caso seja necessário remover o material por necessidade extrema de trocas de restaurações ou acesso à câmara pulpar de um dente previamente restaurado, devemos realizar o procedimento sob isolamento absoluto.

ÉPOCA DE ATENDIMENTO
O atendimento pode ser realizado em qualquer um dos três trimestres gestacionais, principalmente em urgências. No primeiro trimestre, o feto está se desenvolvendo, então, obviamente, os riscos de abortos, complicações e teratogenicidade são maiores. Não devemos deixar de tratar doenças bucais de gestantes por medo de sermos acusados por eventuais abortos que não teriam qualquer correlação com o seu tratamento mas sim com a fatalidade.
O segundo trimestre é mais indicado ao tratamento por vários motivos: gestante mais tranquila, organogênese do feto quase completa, menor incidência de náuseas que no primeiro trimestre, menor peso que no terceiro trimestre.
Já o terceiro trimestre seria, em teoria, o mais seguro, porque o bebê está praticamente pronto para o nascimento. Por outro lado, é o mais desconfortável à gestante, que costuma apresentar maior peso fetal e maior desconforto na cadeira.

DOENÇA PERIODONTAL E COMPLICAÇÕES OBSTÉTRICAS
É comumente aceita a teoria que o aumento brusco dos hormônios femininos circulantes durante a gestação é responsável pela exacerbação da reação inflamatória gengival, principalmente por sua ação vasodilatadora.
Apesar de a gestação intensificar a reação inflamatória no tecido gengival, o biofilme dentário,  acúmulo de bactérias no dente, é de fundamental importância para o desenvolvimento desta afecção, sendo que seu controle por meio de escovação apropriada parece evitar inflamação e sangramento.
A necessidade dos cuidados bucais durante a gestação baseia-se em dois motivos principais:

– Gestantes devem se alimentar corretamente e, por isso, não seria admissível que apresentassem dor e/ou mobilidade dentária;
– Infecções periodontais poderiam se disseminar na corrente sanguínea e estimular a produção de citocinas inflamatórias. Em decorrência das atuais publicações que relacionam algumas importantes complicações gestacionais  (parto prematuro, recém-nascidos de baixo peso e pré-eclâmpsia) com a presença de citocinas também produzidas no periodonto infeccionado, pode haver correlação entre os dois fatores.

12 de janeiro de 2015, 08:14.

Sedação Consciente com Óxido Nitroso

tratamento odontológico por medo, pavor de anestesia, ou fobia de dentista

É fato que muitas pessoas evitam o tratamento odontológico por medo, pavor de anestesia, ou fobia de dentista. Neste sentido, a classe odontológica procura minimizar o medo durante a consulta para garantir mais conforto ao paciente e assim permitir com que ele faça mais visitas ao seu consultório.

Hoje em dia, isto significa para o dentista ir atrás de novas técnicas, estudar e se capacitar para a aplicação das mesmas. Esta busca por novas técnicas diferencia o profissional e a sua Clínica, assim permitindo mais retorno dos pacientes que se sentirão mais seguros e confiantes.

A sedação consciente com óxido nitroso é uma técnica antiga, mas que tem sido amplamente utilizada atualmente. Para que o dentista possa fazer uso da mesma, ele necessita fazer um curso de capacitação reconhecido pelo Conselho de Odontologia (CRO ou CFO).

A sedação consciente é a mínima diminuição da consciência, durante a qual o paciente mantém a respiração por seus próprios meios e responde adequadamente aos estímulos físicos e verbais. Desta forma, proporciona conforto e tranquilidade ao paciente, aumentando a segurança no atendimento, e causando uma sensação de bem-estar e relaxamento após a consulta.

Para os cirurgiões-dentistas, a técnica facilita o tratamento de pacientes fóbicos, ansiosos, hiperativos, e também pacientes especiais e crianças. A sedação minimiza os fatores estressantes tanto para o paciente como para o dentista, com isso os próprios dentistas conseguem realizar seus procedimentos com mais calma e cautela, não tendo o medo do paciente como pressão para finalizar o tratamento mais rapidamente.

O medo afeta a tolerância à dor, por isso estímulos dolorosos podem ser exagerados em pacientes ansiosos. A terapêutica com óxido nitroso auxilia o paciente a tornar-se mais calmo e relaxado, aumentando progressivamente sua auto-confiança. O relaxamento propicia uma tolerância maior aos estímulos dolorosos. Isto é extremamente benéfico, principalmente em pacientes pediátricos.

Sob ação do óxido nitroso, o paciente tende a perder a percepção de tempo, o que é muito positivo em intervenções longas. No pós-operatório os pacientes, frequentemente, relatam não ter noção da intensidade da dor ou ansiedade durante a intervenção.

O óxido nitroso é um gás incolor, com odor e sabor agradáveis, não irritante, e pouco solúvel no sangue. A sedação com óxido nitroso tem efeito rápido. Devido às suas características farmacológicas, os efeitos clínicos surgem em menos de 30 segundos, atingindo seu pico em menos de 5 minutos. A sedação inalatória é a única técnica farmacológica em que a recuperação ocorre de 3 a 5 minutos após o fim da administração da droga.

INDICAÇÕES
De acordo com os especialistas, não há relatos de casos de hipersensibilidade (alergias) durante o uso da sedação com óxido nitroso. Além disso, a técnica não apresenta efeitos adversos sobre o sistema cardiovascular, respiratório, fígado, rim, e cérebro. Portanto, pode ser usado inclusive em pacientes que requerem cuidados especiais, como cardiopatas, diabéticos e hipertensos. Adultos, crianças, idosos, e pessoas que necessitam de cuidados especiais podem utilizar a sedação para diminuir o medo durante a consulta odontológica.

Todos os procedimentos odontológicos podem ser realizados por meio de sedação, desde os procedimentos mais simples como limpeza e aplicação de flúor, até as cirurgias de extração, implantes, e tratamentos de canal. Contudo, apesar de sedação causar um certo nível de analgesia, não elimina o uso de anestésicos para diminuir a dor.

Algumas práticas são otimizadas com o uso do óxido nitroso, como tratamentos em crianças e pacientes com alterações de comportamento, bem como procedimentos mais complexos como cirurgias e tratamentos de canal.

CONTRA-INDICAÇÕES
São poucos os casos em que o óxido nitroso não é indicado. Dentre eles, pacientes com alterações de personalidade, doenças psiquiátricas, pacientes extremamente fóbicos, primeiro trimestre de gravidez, clautrofóbicos, respiradores bucais, ou doenças pulmonares obstrutivas crônicas.

As contra-indicações temporárias são pacientes que apresentam as vias aéreas obstruídas por pneumonias, rinites alérgicas, sinusites, gripes, resfriados, entre outros. Como a sedação é feita por meio de inalação do gás, é necessário que as vias aéreas estejam desobstruídas durante todo o procedimento. Se o paciente estiver respirando pela boca, a sedação não surtirá efeito algum.

A sedação com óxido nitroso pode ser associada a outras drogas, mas isto deve ser feito sob orientação e acompanhamento do cirurgião-dentista, porque esta associação pode chegar a causar efeitos adversos ao estado físico e psíquico do paciente. Desta forma, é imprescindível que seja realizada uma anamnese detalhada a fim que o profissional esteja ciente de qualquer tipo de fármaco que o paciente faça uso, bem como possa indicar medicamentos caso necessário para associar-se à analgesia inalatória.

Dra. Bárbara Galletti Lourenço
Odontopediatria e Odontologia para Bebês
Habilitada em Sedação Consciente com Óxido Nitroso e Associada à ABASCO (Associação Brasileira de Sedação com Óxido Nitroso).

Dúvidas? Mande um e-mail para: barbara@lourencoodontologia.com.br

Bibliografia:

http://www.odontomagazine.com.br/2011-06-sedacao-consciente-mais-conforto-para-o-paciente-10870

http://www.abasco.com.br

6 de janeiro de 2015, 12:35.

Higiene Bucal do Bebê Estimulação da Gengiva

higiene bucal do bebêAntes de abordar os métodos de higiene bucal do bebê, é muito importante falarmos sobre a contaminação e transmissão precoce por microorganismos cariogênicos (bactérias causadoras da cárie).

A transmissão e contaminação ocorrem pelos contatos frequentes entre a mãe e o bebê. Por exemplo, beijinhos na boca, quando se assopra o alimento para esfriá-lo, usar o mesmo talher, chupar a chupeta antes de dar à criança, etc.

A mãe não precisa necessariamente apresentar cárie em seus dentes para contaminar o bebê, basta ter um nível elevado da bactérias na boca.

Doenças como resfriados, gripes, herpes, viroses, também podem ser transmitidos pela saliva.

ESTIMULAÇÃO DA GENGIVA
A estimulação que antecede a higiene bucal deve ser feita antes mesmo do primeiro dentinho nascer. Porque fazer a estimulação, se o bebê ainda não tem dentes? Ao cuidar da boquinha do bebê, a mamãe estará criando um ambiente sadio e ideal para a chegada dos primeiros dentinhos, além de motivar o filho a ter bons hábitos de higiene. Com esse treinamento, ele se acostumará desde pequeno com a entrada de objetos estranhos na sua boca, como dedeira ou escova, facilitando o aprendizado no futuro. Recomenda-se utilizar dedeiras especiais, envoltas no dedo indicador do adulto, com a finalidade de estimular a mucosa oral e o rebordo gengival (figura).

No mercado, encontramos estimuladores e mordedores que também auxiliam na época de erupção dental, aliviando a irritação que as crianças geralmente apresentam associada à erupção dos primeiros dentinhos. Dê preferência às que apresentam líquidos que podem ser refrigerados, pois o alívio é bem maior com estas, como o modelo Cooler da MAM ( http://www.mambaby.com/br/online-shop/teethers-209/mam-cooler-105/).

No período de amamentação, sugerimos apenas a remoção de restos de leite ou alimentos que ficam estagnados nas comissuras labiais e na cavidade bucal, com gazes umedecidas ou o MAM Oral Care Rabbit (http://www.mambaby.com/br/online-shop/oral-care-teethers-218/mam-oral-care-rabbit-114/).

É importante lembrar que a limpeza deverá ser feita somente em casos de regurgitação e estagnação do leite, pois a língua favorece a auto-limpeza. Portanto, essa higienizarão deve ser feita uma vez ao dia, se necessário. A boca do recém- nascido não apresenta bactérias relativas à cárie e à doença da gengiva. Elas se instalam com a erupção dos primeiros dentes e são transmitidas pela mãe. Os pais não devem ter medo de tocar a boca do seu bebê.

Pais que não recebem orientações preventivas geralmente tendem a negligenciar os cuidados bucais de seus filhos. Eles devem estar cientes de que os hábitos de higienização e estimulação são indispensáveis para a boa saúde bucal do. Os temores da criança serão eliminados dia após dia, inclusive as náuseas causadas por objetos estranhos na boca.

©2020 Lourenço Odontologia. Todos os direitos reservados.