21 de maio de 2015, 19:25.

Tipos de má-oclusão e seus tratamentos na Infância

A má-oclusão é um desvio da normalidade da oclusão, o modo como as arcadas dentárias se conectam, e pode se desenvolver devido à fatores genéticos, ou uma combinação dos fatores genéticos com hábitos deletérios, como respiração bucal, ou sucção não nutritiva de dedo, chupeta ou bico da mamadeira. Alguns tipos de má-oclusão devem ser tratados precocemente, enquanto outros podem esperar até a fase de puberdade. Isso porque o desenvolvimento dos nossos ossos dá -se principalmente antes da fase de puberdade, dificultando assim o tratamento de algumas má-oclusões.

Quais tipos de má-oclusão mais comuns devem ser tratadas precocemente (antes da fase de puberdade)?
As má-oclusões que que resultam de discrepâncias ósseas devem ser tratadas precocemente, já que quando a criança está na fase de crescimento o seu osso ainda está “maleável” para reabilitarmos.

1. AS MÁ- OCLUSÕES DE CLASSE II

AS MÁ- OCLUSÕES DE CLASSE II

As má-oclusões de classe II representam uma desarmonia de crescimento entre a maxila e a mandíbula, por um excesso de crescimento da maxila, ou falta de crescimento da mandíbula, ou ambos. Esse tipo de má-oclusão geralmente confere ao paciente um perfil côncavo, com a maxila projetada anteriormente em relação à mandíbula, e o queixo para trás.
Para o tratamento da má-oclusão precocemente, podemos lançar mão de alguns dispositivos ortopédicos que estimulem o crescimento mandibular, ou retardem o crescimento maxilar, de acordo com a patologia da criança.
A má-olcusão de classe II está fortemente relacionada, na literatura, a pacientes respiradores bucais, que acabam criando esta desarticulação entre as arcadas pela passagem de ar pela boca.
O aparelho que eu costumo utilizar, neste caso, é um Ativador, associado a um aparelho extra-bucal para dormir, como este abaixo:

2-AP-AEB-conjugado-sem-ativad

2. AS MÁ-OCLUSÕES DE CLASSE III

AS MÁ-OCLUSÕES DE CLASSE III

As má-oclusões de classe III são outro tipo de desarmonia de crescimento entre os ossos maxilares. Neste caso, se devem a um crescimento excessivo da mandíbula, ou falta de crescimento da maxila, ou ambos. O tratamento precoce pode ser decisivo neste caso, para que no futuro o paciente não necessite de uma cirurgia buco-maxilo-facial que solucione o problema. O paciente portador de uma má-oclusão de classe III muito comumente tem o queixo proeminente, garantindo a ele um perfil facial convexo, o que prejudica muito a sua estética facial, e a simples “camuflagem” do problema com aparelhos fixos após a fase de puberdade, corrigiria até o problema da arcada dentária, mas não alteraria o seu perfil.
A sua correção precocemente  é realizada com aparelhos ortopédicos, que devem, neste caso, estimular o crescimento da maxila ou então retardar o crescimento da mandíbula, como a máscara facial:

4-borrachinhasaparelho2_thumb

OBS: Deve-se salientar, no entanto, que em casos mais severos, em que a discrepância óssea é muito acentuada, o paciente ainda necessitará de cirurgia, mas com o tratamento ortopédico anterior, com certeza a cirurgia será mais branda.

3. MORDIDAS ABERTAS ANTERIORES

MORDIDAS ABERTAS ANTERIORES

A principal causa deste tipo de má-oclusão são os hábitos de sucção não-nutritiva de dedo, chupeta ou bico de mamadeira. Também é importante tratar-se precocemente a mordida aberta anterior, pois o mesmo padrão pode se repetir na dentição permanente. O primeiro passo é a remoção do hábito causador, pois isso simplesmente pode deixar com que o osso se ajuste proporcionando um correto embricamento entre os dentes. Em alguns casos, mesmo com a remoção do hábito, a má-oclusão ainda permanece, sendo necessário intervir com aparelhos ortopédicos também na infância. O aparelho que utilizamos aqui na Lourenço Odontologia é a Grade Palatina Fixa, que tem a função de promover um afastamento da musculatura da região da mordida aberta, possibilitando um remodelamento do osso da região.

6-ortoatual_im4

4. MORDIDA CRUZADA POSTERIOR

Este tipo de má-oclusão também se deve, geralmente, à hábitos de sucção não-nutritiva, mas acaba por gerar uma maxila atrésica, ou seja, um palato estreito, que pode inclusive prejudicar a respiração do paciente, por afundar a região de suas vias aéreas. A mordida cruzada posterior também pode permanecer até a idade adulta caso não for corrigida na infância. O aparelho ortopédico que preconizamos para este tipo de paciente é o Disjuntor:

MORDIDA CRUZADA POSTERIOR

Por fim, devemos ficar atentos à arcada dentária dos nossos filhos desde a mais tenra idade, para que possamos tratar as má-oclusões o quanto antes, assim prevenindo que tenham perfis desfavoráveis, ou então necessitem de uma cirurgia no futuro.
Caso você desconfie de algumas destas má-oclusões citadas, consulte um Ortodontista, somente um profissional qualificado nesta especialidade pode diagnosticar e planejar a melhor forma e época de tratamento, avaliando caso caso individualmente.
Prevenir é garantir saúde e estética, além de garantir uma melhor qualidade de vida aos nossos pequenos.

DÚVIDAS?
Entre em contato com Dra. Bárbara Galletti Lourenço
e-mail: barbara@lourencoodontologia.com.br

©2020 Lourenço Odontologia. Todos os direitos reservados.