12 de abril de 2021, 15:03

O COLAR DE ÂMBAR FUNCIONA?

Compartilhe

Você provavelmente já deve ter ouvido falar do colar de âmbar. Se nunca ouviu falar, provavelmente já deve ter visto um desses no pescoço de algum neném. Até o bebê da Gisele Bundchen já chegou a usá-lo! Mas vamos lá… Quais são os efeitos esperados do colar de âmbar e será que ele é realmente efetivo?

O acessório é feito com pedrinhas de âmbar, uma resina vegetal que virou fossil há aproximadamente 50 milhões de anos. Esse material, muito encontrado na região dos países Bálticos (norte da Europa), tem como princípio ativo o ácido succínico, substância que, segundo estudos químicos, fortalece o sistema imunológico, estimula o sistema nervoso e melhora a atividade cerebral. Por conta disso, e também por acreditarem que o ácido succínico também apresenta características analgésicas e antiinflamatórias, muitos pais começaram a usar este colar nos seus bebês acreditando que poderia aliviar as dores no aparecimento dos dentes de leite na criança.

Escuto alguns pais relatarem que o colar de âmbar funciona, que ele traria benefício no momento da erupção dos dentes das crianças, mas não há evidência científica de que ele funcione. É mais um efeito placebo nestes pais, que ficam mais tranquilos por terem nas mãos uma “solução” para o problema.

Não há, portanto, nenhum estudo científico que comprove que o ácido succínico seja liberado pelas pedras ou absorvido pela pele, não há evidências de que o ácido tenha propriedades analgésicas, e finalmente, ele é classificado pela FDA, a Anvisa dos Estados Unidos, como um irritante cutâneo. Sua degradação pode liberar ácido acético (vinagre) e ácido fórmico (principal componente do veneno da picada das formigas comuns), produtos que certamente ninguém quer na pele de um bebê.

Além disto, A Associação Brasileira de Odontopediatria posicionou-se contra o uso do colar de âmbar devido ao risco de estrangulamento ou ainda engasgamento (no caso de crianças que romperam o colar e colocaram as bolinhas de âmbar na boca). Há relatos de casos de crianças que morreram por conta disto!

O que fazer então para aliviar o desconforto dos bebês durante a erupção dos dentes? A dentição das crianças começa a aparecer por volta dos seis meses. Neste período, elas ficam mais irritadas, podem aumentar a produção de saliva e dão início à fase oral, ou seja, colocam objetos na boca e podem apresentar diarréia e febre. Neste momento, o aconselhado é que os pequenos utilizem mordedores. Existe uma série de modelos de mordedores no mercado, mas os que mais costumamos indicar são os mordedores com gel que podem ser colocados na geladeira. Quando gelados, eles ajudam a diminuir a coceira que os bebês sentem nesta fase. Por fim, a partir do nascimento do primeiro dentinho, a criança precisa começar o processo de escovação. O aconselhado é que se utilize uma escova de dente com cabeça pequena, cerdas macias e uma pontinha de pasta com flúor, porque ela inibe o surgimento de cárie. Antes mesmo do ínicio da escovação dos dentes, a gengiva da criança pode também ser massageada com os dedais que ajudam a acostumar os bebês com este tipo de estímulo, favorecendo para que aceitem melhor o processo de higiene bucal posteriormente.

Dra. Bárbara Galletti Lourenço Marques

CRO-SP: 105037

Odontopediatra e Ortodontista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

©2021 Lourenço Odontologia. Todos os direitos reservados.