11 de março de 2015, 07:07.

Dúvidas mais frequentes sobre os cuidados bucais do Bebê e Criança

Dúvidas mais frequentes sobre os cuidados bucais do Bebê e Criança

QUAL A IDADE IDEAL PARA PRIMEIRA CONSULTA AO DENTISTA?
A idade não deve ultrapassar os 12 meses de vida, mas antes disso os pais precisam obter informações para a saúde dos dentes e o bom funcionamento das arcadas dentárias. Portanto, a mãe pode marcar logo nos primeiros meses uma consulta para receber informações sobre higiene, dieta, uso de flúor, uso adequado da mamadeira e chupeta e também os maus-hábitos, como chupar o dedo.

QUANDO OS DENTES ESTÃO NASCENDO, O BEBÊ FICA IRRITADO?
O bebê pode sentir certo desconforto durante a erupção dos dentes de leite. Os principais sintomas são: irritabiliade, dor, aumento de saliva na boca, corisa, diarréia decorrente da contaminação por objetos colocados na boca, e febre baixa passageira, provocada por fatores reguladores da temperatura do corpo durante o rompimento da gengiva.

QUANDO DEVO COMEÇAR A ESCOVAR OS DENTES DO MEU FILHO?
No período de amamentação, sugerimos apenas a remoção de restos de leite ou alimentos que ficam estagnados nas comissuras labiais e na cavidade bucal, com uma gaze ou fralda umedecida. Após o aparecimento do primeiro dentinho já podemos começar a higienização com escova dental e o fio dental.

QUAL A MELHOR ESCOVA A SER UTILIZADA?
Como principal instrumento utilizado na higiene bucal, a escova deve ter características adequadas para que se obtenha o melhor resultado. O cabo da escova deve ser reto e longo, entre 10 e 13 cm, proporcionando boa empunhadura aos pais, pois na maioria das vezes eles são os que realizam a escovação. A haste deve ser reta também, e a cabeça deve ser pequena, em torno de 1 a 1,5 cm, suficiente para cobrir de dois a três dentes por vez. As cerdas devem ser flexiveis e arredondadas, contendo em média duas a três fileiras de tufos em sentido horizontal e seis a oito fileiras no sentido vertical. Na escolha da escova dental, os pais devem optar pela macia ou extramacia. No caso de bebês, o número de cerdas deve ser menor, dando-se preferência à aquelas adequadas para a idade.

QUANDO DEVO TROCAR A ESCOVA DE DENTE?
Sugerimos sua troca no mínimo a cada mês, não só pela deformação das cerdas, mas pelo grande número de colônias de bactérias que podem ser encontradas nelas. As cerdas após certo tempo perdem sua flexibilidade correta. Além disso, crianças pequenas têm hábito de morder a escova, reduzindo sua vida útil. Recomenda-se também deixar uma escova exclusiva para as crianças “treinarem” sob a responsabilidade dos pais.

QUANDO DEVO DAR E REMOVER A CHUPETA?
Praticamente todos os pais já ouviram falar ou conhecem os malefícios causados pelo uso excessivo da chupeta, mas mesmo assim preferem focar mais os benefícios que seu uso trás para suas próprias vidas. Os pais, em geral, transformam a chupeta em vício e a usam para calar a criança e mantê-la quieta, sem se preocupar em conhecer seu uso adequado, tendo em vista a saúde dos filhos. Aliviar a ansiedade do bebê com a chupeta faz com que ele associe uma coisa à outra. Toda vez que se sentir ansioso vai querer a chupeta, pois tem medo de perdê-la. Assim, os pais acabam induzindo o bebê a centralizar na boca a busca de todas as sensações, tornando tardia a exploração de situações diferentes e outros sentidos. O hábito de sucção de chupeta é muito prejudicial quando permanence além do final do segundo ano de vida, tornando-se essencial a disciplina de seu uso para que não sejam ocasionados problemas dentofaciais devido ao seu uso prolongado.

QUAL PASTA DE DENTE DEVO UTILIZAR?
A pasta de dente deve ser flouretada, com uma quantidade de flúor de 1100 ppm para TODAS as crianças, a partir do aparecimento dos primeiros dentinhos. Deve-se atentar, apenas, para a quantidade do dentifrício, que não deve ultrapassar 1 grão de arroz cru para crianças de até 3 anos e 1 grão de ervilha para crianças maiores que 3 anos.

ANTIBIÓTICOS MANCHAM OS DENTES?
Não diretamente, doenças infecciosas podem provocar quadros clínicos que tragam alterações para os dentes, mas os antibióticos por si só não causam manchamentos nos dentes, isso é uma idéia antiga mas os antibióticos que tinham esse feito colateral caíram em desuso. Entretanto, o sulfato ferroso (medicamento prescrito em caso de deficiência de ferro) pode provocar manchas marrons nos dentes de leite. Portanto, todo mendicamento deve ser utilizado sob prescrição médica, controlando-se a posologia adequada.

O QUE É A CÁRIE?
É uma doença infectocontagiosa multifatorial, caracterizada pela destruição da estrutura do dente. A cárie se instala dependendo de vários fatores, como a dieta, higiene, bactérias e a resistência imunológica e dentária de cada pessoa. É a presença e o equilíbrio destes fatores que vão determinar a ocorrência ou não da cárie.  A cárie sempre se inicia como uma mancha branca na superfície do dente causada pelo ácido das bactérias. Para a formação desses ácidos, as bactérias utilizam os resíduos alimentares principalmente dos carboidratos e açúcares e formam uma película chamada placa bacteriana. As bactérias vão aderindo-se à placa e alimentando-se dela. Durante esse processo, as bactérias produzirão mais ácidos que destruirão o esmalte, iniciando a cárie.

COMO FAZER PARA EVITAR A CÁRIE?
É preciso haver um equilíbrio entre a dieta e a higienização, evitando-se o contato diário com alimentos que contenham açúcares saturados e uma higiene bucal adequada. Em outras palavras, caso for comer doces, é melhor que seja de uma vez só na sobremesa e, em seguida, escovar os dentes, do que ficar comendo um de cada vez durante a tarde. Nos intervalos das refeições, é melhor optar-se pelas frutas. Cabe salientar que todo e qualquer método preventivo só terá sucesso se houver motivação e conscientização da criança e da família.

PRECISA TRATAR A CÁRIE DO DENTE DE LEITE?
Sim, a dentadura de leite deve ser mantida intacta, saudável, sem cárie, pois ela “guarda” o espaço para os dentes permanentes. Os pais precisam ter consciência da importância da dentadura de leite para o desenvolvimento da fonética, estética, deglutição e mastigação.

O QUE É A CÁRIE DE MAMADEIRA?
O esmalte do dente de leite é mais liso, mais branco e menos mineralizado que os dentes permanentes. Logo, se a cárie se instalar, a progressão será muito mais rápida. Nessa dentição, quando os hábitos de higiene são neglicenciados, é muito comum encontarmos a cárie precoce de infância, ou cárie de mamadeira. Ela está relacionada ao consumo frequente de leite materno ou artificial, sucos ou líquidos adocicados, acrescidos com carboidratos fermentáveis na mamadeira (amido de milho ou outros engrossantes) ingeridos ao longo do dia e da noite, principalmente se a criança mama e depois dorme, sem escovar os dentes.

QUAL O TRATAMENTO DA CÁRIE?
Na presença de mancha branca ainda não cavitada, que é a lesão inicial de cárie, a mancha pode ser remineralizada com fluorterapia e cuidados com a higiene e dieta. Na presença de cavidade de cárie, o tratamento deixa de ser preventivo, sendo restaurador e mais invasivo. Será preciso remover a parte cariada (através do motor ou gel) e restaurar a forma do dente. Se a cárie atingir o centro do dente (polpa, vasos e nervos), poderemos ter um comprometimento da parte vital, ocorrendo infecção e necrose do dente. Isso levaria à necessidade de tratamento de canal (tratamento endodôntico). Se houver necessidade desse tratamento e ele não for realizado, poderá ocorrer a formação de uma fistula (bolinha de pus) e um abscesso, dor, inchaço e até perda precoce do dente, com comprometimento do dente permanente successor. Em casos mais graves, quando a infecção não é controlada, pode haver comprometimento geral da saúde, envolvendo problemas oftálmicos, reumatológicos e cardíacos. Lembramos que, na puberdade, algumas mudanças comportamentais são observadas. Ocorrem também mudanças de hábitos alimentares e de higiene e o controle da injestão de açúcares é, então, menos controlado pelos pais. Por isso, a conscientização da importância da dieta e da escovação deve ser incorporada, o mais cedo possível, nos hábitos da criança.

COMO PROCEDER EM CASO DE TRAUMATISMO?
Na infância, acidentes envolvendo batidas na região da boca são muito comuns. De um a dois anos e meio, há maior propensão a acidentes causadores de traumatismos que afetem as estruturas bucais. Nessa fase, a criança começa a andar e se movimentar livremente, mas a capacidade motora está em desenvolvimento e o bebê não tem noção do perigo. A outra faixa etária em que ocorre o traumatismo bucal com maior frequência é por volta dos sete aos catorze anos, quando a criança começa a praticar atividades esportivas. É preciso que os pais fiquem atentos aos traumatismos bucais, pois eles podem ter vários graus de gravidade. Devem ser observados sangramentos, deslocamentos dentais e fraturas, a fim que o profissional faça o correto diagnóstico e assim sugira um tratamento adequado. De qualquer forma, o ideal é que se procure um Odontopediatra imediatamente após o trauma para que o tratamento seja de melhor qualidade e eficiência. É importante salientar que, logo após o trauma, não se deve permitir o uso de chupeta ou sucção de dedo, pois isto poderá deslocar os dentes e aumentar a gravidade do acometimento. Caso o dente traumatizado sair da boca, os pais devem mergulhá-lo em leite ou soro fisiológico, e trazer imediatamente ao dentista para tentar um reimplante.

MEU FILHO RANGE OS DENTES. COMO POSSO PROCEDER?
O bruxismo, ou hábito de apertar ou ranger os dentes, é considerado uma disfunção da mastigação e suas causas indicam ter relação com fatores psicológicos, contatos inadequados entre os dentes e fatores hereditários. Se o bruxismo for muito intenso, podem surgir desgastes na superfície dos dentes. O tratamento é variável e depende dos fatores causadores do problema. O uso de uma placa acrílica pode ser indicado, o que impedirá que os dentes se contactem, permitindo um relaxamento da musculatura e das articulacões. Entretanto, muitas vezes devemos associar a um tratamento psicológico, a fim de procurar a causa deste hábito.

OS DENTES DO MEU FILHO ESTÃO TORTOS. O QUE DEVO FAZER?
O ideal é que seja feita uma avaliação junto a um especialista Odontopediatra ou Ortodontista, para que ele avalie se é possível realizar algum tratamento ortopédico ainda na infância ou se é necessário esperar-se pela troca de todos os dentes para instalar-se um aparelho fixo.

O QUE É RESPIRAÇÃO BUCAL?
Atualmente, a respiração bucal é considerada uma síndrome, na qual percebemos várias características de desequilíbrio funcional. Os pais devem estar atentos às características físicas do respirador bucal, geralmente as seguintes: boca aberta, lábio superior encurtado (não fecha os lábios), língua para frente, maxila estreita, olheiras, distração. Essa síndrome pode apresentar diversas causas, que serão determinadas pelo dignóstico de um otorrinolaringologista, ortodontista e um fonoaudiólogo, assim poderão, em conjunto, prever a melhor forma de tratamento.

O QUE É GENGIVITE?
É uma inflamação gengival, caracterizada por aumento de volume, sangramento e avermelhamento da gengiva e é causada, na maioria das vezes, pela presença de placa bacteriana. Sendo o principal fator responsável pelo mau hálito, a gengivite ocorre por falta de higienização adequada dos dentes e da gengiva. Nas crianças, se a gengivite for detectada no início, a inflamação regredirá rapidamente quando a higiene voltar a ser executada adequadamente. Por isso, quando se observar sangramento e ligeiro inchaço na gengiva, a higienização deverá ser melhorada, principalmente o uso do fio dental. Consulte seu dentista para orientações.

O QUE É PERIODONTITE?
É a forma mais grave da gengivite, e está geralmente associada à presença de tártaro, que é a placa bacteriana mineralizada, sendo mais frequente em adultos. Essa doença atinge o periodonto, ou seja, a gengiva que envolve os dentes e o osso, e pode ser um problema muito grave pois uma vez reabsorvido o osso, ele não se desenvolve novamente.

O QUE É AFTA?
Aftas são pequenas feridas em forma de úlceras que podem aparecer isoladamente ou em grupo. Aparecem nas mucosas da boca, lábios e língua. Podem aparecer por causas diversas, como deficiência imunológica, traumas, alimentação ácida, alergias, infecções por bactérias ou fungos ou reações a medicamentos. Se a criança tiver predisposição para aftas, os pais devem prestar atenção nos fatores desencadeantes, mas existem substâncias capazes de combater a dor e conter as aftas. Portanto, os pais devem entrar em contato com o odontopediatra para obter melhor orientação.

O QUE É HERPES?
É uma infecção de origem viral, que se manifesta na forma de lesões de vesículas ou bolhas após um leve inchaço. O herpes tende a acometer as crianças na mais tenra idade e não tem cura, mas não trás nenhuma complicação maior do que essas lesões ocasionais que geralmente são acompanhadas de um quadro de baixa imunidade. Podemos, contudo, tratar as lesões de herpes com antivirais que devem ser devidamente prescritos pelo Odontopediatra.

Dra. Bárbara Galletti Lourenço
Especialista em Odontopediatria pela USP – SP
CRO 105037

www.lourencoodontologia.com.br

©2020 Lourenço Odontologia. Todos os direitos reservados.